Museu Ghibli, no Japão, abriga o mundo mágico de Hayao Miyazaki

367
Museu Ghibli é diferente de tudo que você possa imaginar

Se a palavra museu te faz lembrar um lugar monótono onde você não pode encostar em nada, você ainda não conheceu o museu de Hayao Miyazaki, o mago da animação japonesa e criador de clássicos como Princesa Mononoke, Viagem de Chihiro e o monstro Totoro.

O Museu Ghibli é diferente de tudo que você possa imaginar. Seguindo os storyboards de seus filmes, o museu se apresenta como um local de artes fora do comum, com atividades interativas para crianças e adultos, onde tudo, do detalhe do portão da entrada aos bancos de jardim contam a história desse mundo encantando sempre com a preocupação de conversar com todos fãs e curiosos, mostrando personagens do Studio Ghibli não como algo do passado, mas como seres vivos que criam e recriam inúmeras oportunidades de diversão.

“Vamos nos perder juntos” é o tema do museu que convida seus visitantes a se perderem em seus atalhos e passagens secretas, entrando assim em uma viagem única com os personagens clássicos dos filmes de HM, gigantes estáticos e pequenos saltitantes, que se movimentam com manivelas acionadas por crianças e adultos emocionados com a ideia de poder mexer em tudo.

“Vamos nos perder juntos” é o tema do museu
“Vamos nos perder juntos” é o tema do museu

O Museu Ghibli é quase todo interativo: praticamente todos objetos,engenhocas e máquinas do ambiente foram feitos para que o visitante, guiado pela curiosidade, mexa, toque, aperte e abra qualquer coisa que veja pela frente. Sim, a farra no museu é legalizada. Mas boa parte dessa farra é exclusiva das crianças, como o Saturn Theater onde são exibidos curta metragens e o Catbus, um ônibus gato de pelúcia que é a atração principal do museu.

No piso inferior, uma sala de exposições mostra a história e a ciência da animação. Um dos monitores utiliza modelos de personagens Ghibli, em poses distintas, dispostos em um círculo sobre uma mesa de giro. Os modelos e as poses são criados, como quadros de animação, que se tornam aparentes quando a mesa gira em sincronização com um estroboscópio cintilante. Os flashes de luz, iluminam cada modelo à medida que passa o mesmo local, criando a ilusão de movimento e animação mostrando como funciona.

No primeiro andar, um estúdio de animação com desenhos, storyboards, material de referência mostrando o processo de criação de um filme de animação, a partir de esboços, historias, keyframing, bonecos, livros, limpeza, coloração, pintura de fundo, enfim, tudo que faz um filme existir. O nome da sala: “onde nascem os filmes”.

Fachada do estúdio
Fachada do estúdio

Até a clássica lojinha de souvenir de museu, no Ghibli Museum é diferente. A começar do nome, MAMA AIUTO (me ajude mamãe!). Na loja, é possível encontrar réplicas de todos os personagens em diversas formas e materiais. Mas, como tinha que ser diferente, boa parte do que vemos na loja, só esta disponível para compra online…viagens de chihiro.

Quando Hayao decidiu realizar seu sonho de ter um museu que abrigasse o universo dos Studio Ghibli, tinha muita certeza do que queria. Um espaço agradável e nunca cheio, onde as pessoas pudessem ter uma experiência revigorante e não sufocante. Para que isso se tornasse realidade, determinou que não seria possível comprar ingressos na entrada. Sendo assim, todos os ingressos são vendidos antecipadamente com data e hora marcada para visitação.

Não sei bem se o modus operandi da venda é proposital ou não, mas só existem duas maneiras de comprar os ingressos. A maneira, digamos, mais prática, é pelo telefone. Infelizmente, a ligação é 100% em japonês. É possível comprar também, através de máquinas de tickets, encontradas nas lojas de conveniência Lawson (tem em todas as esquinas). As maquininhas também só possuem versão nipônica.

Interior do estúdio: todos os ingressos são vendidos antecipadamente com data e hora marcada para visitação
Interior do estúdio: todos os ingressos são vendidos antecipadamente com data e hora marcada para visitação

A boa notícia é que você pode encontrar a versão online das lojas Lawson com site em inglês. No site não é possível adquirir nem reservar os bilhetes, mas dá para você estudar como comprar o bilhete na máquina, seguindo mais ou menos 12 páginas de passo a passo.

Agora, para se chegar ao Ghibli o grande lance é pegar o trem expresso da linha JR Chuou. Desça na estação de Mitaka, saída pela face sul. Há ônibus especiais que saem diretamente para o museu, com apenas 5 min de viagem.

Talvez tudo seja parte do plano de Hayo, para que a chegada ao museu também seja uma aventura
Talvez tudo seja parte do plano de Hayo, para que a chegada ao museu também seja uma aventura

Parece difícil, eu sei. Talvez tudo isso seja parte do plano de Hayo, para que a chegada ao museu também seja uma aventura. Mas uma vez passado todos os obstáculos, acredite, vale tão a pena que você nem irá se lembrar de como chegou lá…

Meu Instagram @verissimoarthur