Tropicalismo na prática: conheça o Santuário Nossa Senhora Da Guia

187
A incrível igreja de Lucena

O Estado da Paraíba é uma sucessão de encantos e surpresas que desafiam os olhos e o espírito de qualquer aventureiro e tropicalista por vocação. Ponto de partida para fantásticas excursões, a cidade de João Pessoa é referência fundamental com suas paradisíacas praias e paisagens fascinantes.

Você sabia que os primeiros raios de sol das Américas desabrocham na Ponta Seixas, coladinho da capital? São 122 quilômetros de litoral pela Paraíba, quase intocada pela ocupação urbana. Atravessando a foz do Rio Paraíba, encontra-se o município de Lucena, com praias exuberantes e cenários muito parecidos com a badalada Goa, ex-colônia portuguesa na Índia.

Lucena é um oásis de tranquilidade, cidadezinha de 18 mil habitantes, oferece o que a natureza lhe concedeu, um mar estonteante e milhares de pés de coco que se destacam na paisagem. Fui convidado por minha irmã Alessandra (moradora do paraíso) a passar alguns dias. O mar, as falésias, a comida, os pescadores foram capítulos e experiências que me fizeram vivenciar um pouco deste Brasil tropical e bonito por natureza.

Um mar estonteante se destaca na paisagem
Um mar estonteante se destaca na paisagem

O ponto alto da minha visita foi conhecer o relicário Barroco-Tropical, do Santuário da Igreja de Nossa Senhora da Guia. A estrada que leva à Igreja é um oceano de coqueiros. Encravada numa área de preservação de resquícios do que sobrou da Mata Atlântica, o esplendoroso Santuário servia como local de observação para ataques dos invasores.

Construída estrategicamente em uma colina de onde se pode avistar o mar e a zona rural, com suas plantações de cana-de-açúcar e seus coqueiros, a Igreja começou a ser erguida em 1591. A construção foi quase toda feita de pedra calcária e os incríveis detalhes da fachada se caracteriza pelo estilo Barroco-Tropical.

A obra é um deleite para os olhos e espírito, as frutas compõem o maravilhoso trabalho artístico do pórtico com suas colunas tortas tendo no conjunto, abacaxi, caju, cacau, melão e pitomba. Com a saída dos carmelitas em meados do século XIX o Santuário de Nossa Senhora da Guia ficou em ruínas. O convento foi demolido restando apenas os alicerces e as amarrações do telhado.

Fui convidado ao paraíso por minha irmã Alessandra
Fui convidado ao paraíso por minha irmã Alessandra

O Instituto do Patrimônio Histórico e artístico Nacional (IPHAN) restaurou a igreja e arejou toda a área adjacente da edificação. Recuperou em sua totalidade as características do monumento do período colonial. A experiência de conhecer esta joia arquitetônica e sagrada Barroco-Tropical vale o sacrifício (prazeroso) de sair de João Pessoa e se largar para Lucena.

O Santuário revela o bom gosto e a adaptação dos portugueses daquele período fascinante das grandes descobertas. Existem muito outros atrativos pelas redondezas. Na região das falésias, visitamos as ruínas da Igreja de Nossa Senhora do Bom Sucesso, onde uma imensa gameleira domina com suas raízes e tronco a fachada do que restou da construção. Alguns moradores contam lendas de fantasmas que habitam e passeiam pelo local. Não se esqueçam, Lucena é coladinha a João Pessoa, na próxima visita a capital dê um pulo ao paraíso.

Me siga no Instagram @verissimoarthur