Além do mar azul e das piscinas naturais: Maceió é a capital nacional da tapioca

“Tapioca em Maceió é como pizza em São Paulo ou acarajé em Salvador. Não tem como não comer”

972

Já tive a oportunidade de conhecer quase todas as capitais do Brasil. Maceió era a última que me faltava. Em minhas viagens pelo País, já cortei o Estado de Alagoas em expedições cruzando seu interior. Porém, nunca havia passado uma temporada na capital.DSC_6059

Sempre existe a primeira vez! Finalmente pude desfrutar das belezas e iguarias da principal cidade alagoana. Fiquei hospedado no Hotel Jatiúca, que é um excelente resort dentro da área urbana, na praia de mesmo nome. Logo no primeiro dia, aproveitei a bela manhã para dar uma longa caminhada pela orla e curtir o mar azul cristalino. Meu filho João me acompanhou. Depois de desfrutar da brisa do oceano Atlântico, chegamos na praia da Pajuçara. Fomos convencidos por um senhor de nome Cícero a conhecer as piscinas naturais formadas por arrecifes, a cerca de dois quilômetros da terra firme.

DSC_6061DSC_5996

Lá fomos nós na jangada de mestre Cícero. O local é paradisíaco. Durante um bom tempo, ficamos só no relax. Na volta, Cícero perguntou se estávamos com fome. Nossos apetites borbulhavam. Como bom anfitrião, Cícero nos recomendou diversas dicas locais. Destaque para as tradicionais tapiocas. Segundo ele, iríamos passar diversas tapioqueiras no caminho de volta. Dito e feito. Cruzamos com os quiosques de nomes expressivos: Glória, Maria Bonita , Edileuza, Tapioca Sonho Meu, Sabor da Roça, Aninha e outros. No entanto, todos estavam fechados. Só abririam mais tarde.

DSC_6105

Na recepção do resort, uma senhora de nome Alessandra me indicou a ir na Maria Bonita. No anoitecer, caminhamos até o setor dos quiosques e pude finalmente devorar as deliciosas tapiocas e conversar com a proprietária, Roseane de Araújo. Ela comentou que existem 26 tapioqueiras pela orla. Seu negócio é próspero. Roseane faz mais de 200 tapiocas diariamente e aprendeu com sua mãe, que também tem seu quiosque.DSC_6149

A primeira que experimentei foi a de queijo de coalho e coco: uma delícia. Tem sabores para todos os gostos.

DSC_6139

No Maria Bonita, existem mais de 30 sabores. O coco predomina na maioria. Observava os pedidos. Das salgadas, quase todas são recheadas de carne de sol, algumas de camarão. No quesito doces, as mais pedidas são as de banana e canela. A clássica Romeu e Julieta, que vai coco, queijo e goiaba também tem seu destaque.DSC_6158

Ao final, depois de degustar vários sabores, dona Roseane lançou seu bordão: “Tapioca aqui em Maceió é como pizza em São Paulo ou acarajé em Salvador. Não tem como não comer”.

Prato
Tapioca é o nome desta iguaria tipicamente brasileira. Sua origem é indígena. Feita com o amido extraído da mandioca, também conhecido como polvilho, goma ou beiju, que ao ser espalhada numa chapa aquecida se coagula e vira uma única massa.

Para se chegar nesse amido, a raiz da mandioca é descascada, ralada e espremida. O resultado é um líquido leitoso que é colocado de descanso num recipiente. A goma de tapioca separa-se da água, formando uma massa mais ou menos sólida no fundo. A águaé então escorrida e a massa com amido é colocada para secar ao sol.

DSC_5990DSC_6088DSC_6082DSC_6074DSC_6099DSC_6102DSC_6107DSC_6109