Lolitas e Gueixas fazem do Japão a terra do mistério e sedução

Inspiração total: essas mulheres levam o país da tradição à modernidade

8705

Observo um grupo de assanhadas garotas trajando uniformes escolares na saída do metro da estação de Harajaku. São conhecidas como “Kogal”, vivem acopladas a seus celulares, mandando mensagens para as amiguinhas.  As saias xadrez, o suéter largo e as clássicas meias  folgadas no tornozelo funciona como certificado de idade e duvidosa inocência. Todas sonhando com uma bolsa Gucci, uma echarpe Burberry ou algum acessório caro e brilhante das vitrines luxuosas de Omotesando.

Na mesma calçada, surge um rebanho de esquisitinhas lolitas góticas. Parecem figurantes de um filme de terror do século 19 com suas rendas e rostos pálidos. As cruzes góticas engatadas no pescoço e a pesada maquiagem fazem parte da indumentária oficial desta tribo pós-punk que povoa as ruas de Tóquio. Há ainda outras vertentes, como as Kuro-Li, sempre de roupa negra, as Ama-Li, arvores de natal ambulantes cor-de-rosa predomina; e as endiabradas Guro-li, com maquiagem borrada e sapatos de boneca.80_DSC_6613

Estamos no epicentro da divertida e bem-humorada moda jovem japonesa. O termômetro é o cruzamento da Meiji Doori, fonte inesgotável de originalidade e cafonices. Procuro uma farmácia para comprar um daqueles colírios que limpam até a alma. José Simão que o diga. No setor de cosméticos duas japas bronzeadíssimas aplicam um make-up esbranquiçado ao redor dos olhos e da boca. Parece um milk-shake de criaturas carbonizadas com urso panda. Os cabelos são descoloridos, usam lentes de contato azul, vestidinhos sexys e plataformas colossais. São as Ganguro, que vivem nos salões de bronzeamento artificial ou fazendo compras nas lojas de Shibuya e Harajaku. São adeptas de celulares e do Para-Para, uma dança tosca sincronizada, com movimentos ondulatórios.DSC_0462

O Japão é por excelência a terra dos extremos, da tradição à modernidade. A cidade de Kyoto retrata com maestria todas as sutilezas das grandes transformações que ocorreram no Japão. A antiga capital é a meca do turismo com seus templos, palácios e mosteiros. O bairro de Gion é o quartel general das gueixas e suas aprendizes, as maikos. É onde ficam suas  casas de chá e centros de treinamentos.DSC_0488

As histórias sobre as gueixas são embaladas num conjunto de mistério e sedução. Surgiram nos bordeis de Kioto no século XVII, como dançarinas e cantoras, e seu universo sempre foi de fantasia, luxo, romance e exclusividade. A vida das gueixas e das maikos (aprendizes) é recheada de compromissos e treinamentos. Essas meninas e mulheres conhecem profundamente a psiquê masculina e cuidam dos homens como se cultivassem um jardim.DSC_1598

Mestras na arte do entretenimento, as gueixas dominam desta as tarefas de servir o saque às regras da cerimônia do chá. Movem-se ao som do shaminsen (instrumento de três cordas) e dançam delicadamente, hipnotizando a clientela. São confidentes pessoais e amantes dos homens mais poderosos do Japão. Para eles as gueixas são consideradas divinas criaturas. Representam o ideal da mulher perfeita, sempre disposta a fazer todos os mimos do marmanjo.DSC_4601

Pelas ruas de Gion em Kyoto todos os dias ao final da tarde, estas bonecas de luxo saem de suas tocas e dirigem-se para as casas de chá e teatros. Seu mundo encontra-se em um processo de extinção. Há cerca de 100 anos, eram 80 mil. Hoje, não passam de mil.  

japaoo 013O que constatamos em Tóquio, Osaka e na tradicional Kyoto é que as gueixas estão sendo substituídas pelas hostess nos bares e restaurantes. Com seus quimonos, maquiagens e adereços, as gueixas, a despeito de estarem quase extintas, continuam a despertar a fantasia e imaginação dos seres humanos.  Banzai.
DSC_6650DSC_4884i00969

DSC_5733 DSC_4864